quinta-feira, junho 21, 2007

moinho

entre farpas e granadas
feridas do sim e do não,
vejo o sol elevar-se nas colinas
e chacais hediondos farejando uma carcaça.
são leprosos que se arrastam
com suas biblias, seus tratados, suas familias
sua honestidade fedorenta...
não vou opor-lhes minha espada
nem objetar com com o meu ressentimento,
minha querida.
vou convidar-la para dançar sob a lua imensa
e olhar de soslaio para o desespero.
enquanto o tempo como uma roda de moinho
tritura a solidez de todos os projetos.

sexta-feira, junho 08, 2007

O cara- um conto

Ele tava ferrado! se enrolou com uma dona que prendeu ele com o visgo da xoxota e depois se mandou com um ricaço intelectualoide. Agora passava os dias bebendo e gritando ""deus que se foda!!!"" o cara tava na merda. Foi quando começou a tocar, cara... o homem parecia um demônio com o violão , uma erva no canto da boca e um copo de whiski. Sua musica era visceral e triste e no final de cada canção, não importa quantas mulheres ele já tivesse trepado ele sempre dizia:""um dia ela vai se fuder man,um dia ela vai se fuder"" Era um sujeito formidavel, desses que a gente só encontra por acaso muito raramente. Vivia a vida a mil por hora e nunca dava as costas a um amigo em dificuldade. Uma vez encarou uma briga com uns cinco caras por minha causa em um bar do suburbio, e voçê sabe como acabam as brigas por lá. Felizmente ainda tinhamos alguns trocados e fugimos de taxi quando as armas de fogo começaram a aparecer na confusão.
Ele viva dizendo : " esses caras não sacam nada (referindo-se aos intelectuais) não percebem que a alma de uma mulher está na xoxota, sim, lá tem tudo que se precisa saber sobre elas"
e ficava muito bravo quando alguém perguntava :" ei cara, então como é que um intelectual de merda tomou sua mulher." Olhava feroz para o sujeito, dava um gole e sentenciava: " É que elas tem mêdo de gozar, sim, é isso aí, elas tem mêdo de um macho de verdade para fazê-las gozar.
O fato é que depois da traição o cara foi ficando cada vez mais deprê. As vezes falava sozinho e repetia sem parar "Essa merda...só consigo fuder pagando..talvez seja melhor..mais sincero afinal de contas..não tenho que ficar figindo que sou escravo de uma buceta". Sua musica foi ficando melhor, mas ele estava cada vez pior, todo mundo sabia que ele precisava de uma mulher do seu lado, uma gata que não quisesse lhe cortat as asas, lhe exigir dedicação integral. O cara foi ficando velho e a velhice tira todo charme da vagabundagem e da pobreza (se é que a pobreza tem algum charme) ainda tinha aquela simpatia quando estava bêbado, mas falava muito em suicidio : "te preocupa não Juan " ele dizia "não apodrecer em pé para dar trabalho aos amigos" ele dizia "Eu vou tomar satisfações do responsavel pessoalmente."
Um dia ele foi encontrado morto. Seu quarto cheirava a alcool puro. devia ter bebido a noite toda e como o figado já estava fudido há muito tempo não suportou. Do seu lado estava um livrinho de anotações onde se lia na primeira pagina : "Notas de um chupador de xoxota- Ao meu amigo Juan leon, segundo na arte."