quarta-feira, setembro 24, 2008

Cantar

Alguém irá cantar para mim quando eu partir
E as mãos do tempo irão tocar o dia.
Minha dor voará por sobre as casas
Gritando
um sim.
Alguém irá cantar
para mim quando eu partir
E minha semente
seguirá com o fardo da batalha
e da esperança louca,
O vento acusará os vermes
que sugaram minha medula,
os seres pobres
que ficaram no caminho.
Alguém irá cantar quando eu partir
sem saber se partir tem algum propósito
ou se é somente o proximo engano.
irei me despindo aos poucos
diante do olhar mesquinho
de quase todo mundo
até ficar inteiro novamente
como sempre foi
enquanto consegui cantar.

2 comentários:

Rosa disse...

É lindo,forte,convidativo até.É estar presente de alguma maneira no mundo, com uma certeza única e muito pessoal, tendo noção do que se é e do que se pode realizar.

jorginho da hora disse...

Amigo, tu tá escrevendo bem prá cacete. Já tá na hora de colocar como prioridade o projeto de um livro.
Olha, gostei de ver sua imagem. Essa
cara de poeta-filosofo-vadio é uma consequencia tão organica quanto as rugas, acredito eu!
Ps. Não vi o video porque não tive saco pra esperar carregar. Volto em breve ao local do crime e faço isso. Tô curioso!
Um abraço!