quinta-feira, fevereiro 04, 2010

Contigência afetiva

Quando o afeto não significar
obrigação.
Quando a família perder a voz da culpa
Quando o amor não for entregue em um invólucro
de dever e medo
talvez eu consiga conversar com as mulheres
e me entender contigo.

Quando o abraço não apresentar-me a hóstia
Quando o beijo não trouxer consigo um selo
sacro
talvez algumas maldades deixem de existir
e possamos ter mais tempo pra sorrir.

Um comentário:

Rafael Medeiros dos Santos disse...

O AMOR. Vladmir Maiakovski.
(Tradução de Haroldo de Campos)

"Quero viver até o fim o que me cabe!
Para que o amor não seja mais escravo
de casamentos,
concupiscência,
salários.
Para que, maldizendo os leitos,
saltando dos coxins,
o amor se vá pelo universo inteiro.
[...]
Para viver
livre dos nichos das casas.
Para que
doravante
a família
seja
o pai,
pelo menos o Universo;
a mãe,
pelo menos a Terra."

(1923)