quinta-feira, fevereiro 04, 2010

Para aqueles sujeitos de carne e osso

Seria muito mais difícil sem Bob Dylan
Sem o velho Buk e sem o Steinbek
Embora eles não soubessem disso.
Eu imagino que poderia viver perfeitamente
Sem amigos
Sem mulheres
Mas não sem agua e comida
E o que esse sujeitos deixaram para mim.
Eu não conseguiria prosseguir sem ouvir esses rabugentos
Se queixando
E eu sorrindo
E dizendo:
“Isso aí cara, isso mesmo.”
Sem a confissão e o delírio
Daquele alemão intransigente
Sem a poesia imponderável
De Garcia Lorca
Sem as aventuras juvenis de Kerouac
Sem as metáforas lisergicas de Ginsberg
Eu não iria conseguir
Embora vocês não compreendam isso
Embora vocês não compreendam isso
Sem a fúria audaz de Hemigway
E eu queria poder gritar em seus ouvidos
“Hey Man” Segura a onda, não entrega a rapadura.”
Mas ele fez isso até onde conseguiu
E me ajudou a prosseguir vivendo
A continuar mastigando esse bolo amargo
E extraindo açúcar de pedaços de asfalto
De longe, bem de longe,
Eu aceno para eles
E me debruço sobre a noite
Esperando a próxima pedrada.

Um comentário:

Rafael Medeiros dos Santos disse...

Sem eles não dá mesmo rapaz. Não são muletas, mas ombros, e setas de "siga enfrente".