terça-feira, setembro 22, 2009

O relacionamento de Krishnamurti II

O banal é nossa vida. O prosaico é onde residimos. As sensações são a substância de nosso entendimento. Ansiar por algo mais do que isso talvez seja algo bem próximo de uma violência contra si-mesmo, mas é claro que eu posso estar enganado. Meus dias finitos, meus temores noturnos, a memória das dores, a voracidade das paixões, os acasos dos encontros: este são os campos onde colho a mim mesmo. Talvez eu ainda me imponha padrões e apenas por isso o arrependimento me encontre nas esquinas do depois. Mas isso não quer dizer nada. Uma falsa cobrança não sanciona uma punição ao presumido devedor. No entanto isso não implica que não seja possível a dor pela ilusão da regra engendrada por nossa insegurança. Estar vivo, como um indivíduo de carne e ossso, movido pelas mesmas forças que movem os outros corpos...Ninguém escapa a isso e Krishnamurti não foi uma excessão.
Agora mesmo bilhões de seres humanos erguem outras tantas instâncias onde esperam evadir-se da incerteza que caracteriza o percurso. A carreira, a igreja, o casamento, a inteligência: fortalezas levantadas contra a condição de estar e todos nós apenas estamos, não existe o SER.
Por tudo isso permaneço contingente. Por tudo isso transito ignorado. Krishnamurti me deu uma ultima lição: Aprendi que sou e posso ser apenas um homem, e que nada do homem me é estranho.

"Eu sou o Incriado de Deus, o que não teve a sua alma e semelhança
Eu sou o que surgiu da terra e a quem não coube outra dor senão a terra
Eu sou a carne louca que freme ante a adolescência impúbere e explode sobre a imagem criada
Eu sou o demônio do bem e o destinado do mal mas eu nada sou."

Vinicius de Morais

2 comentários:

Pregos Abstratos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pregos Abstratos disse...

"Eu não acho que fomos feitos pra coisa alguma, nós somos apenas produtos da evolução. Você pode até dizer ‘Nossa, sua vida deve ser horrível já que não acredita que há um propósito’, mas eu não ligo."

James Watson